AMEBÍASE

AGENTE ETIOLÓGICO
Protozoário (Entamoeba histolytica) na forma de cisto ou trofozoíto; vive como comensal, ou invasão tecidual (intestinal ou extra-intestinal)
RESERVATÓRIO
Homem.
TRANSMISSÃO
Ingesta de água ou alimentos contaminados por cistos amebianos; raramente por contato sexual oro-anal
INCUBAÇÃO
2-4 semanas, meses ou anos
TRANSMISSIBILIDADE
Quando sem tratamento, pode ser por anos
CLÍNICA
Desconforto abdominal leve ou moderado, evacuações muco-sanguinolentas, febre e calafrios. Nas formas graves pode haver disseminação sanguínea
COMPLICAÇÕES Granulomas na parede do intestino, abscessos hepático, pulmonar, cerebral – decorrente da disseminação sanguínea
DIAGNÓSTICO Pela identificação de trofozoítos, ou cistos do parasito identificado em exame de fezes. Tomografia computadorizada e ultrassonografia pode ser útil
TRATAMENTO 1ª opção – secnidazol 2g em dose única (adulto) e 30mg/kg/dia até 2g/dia
2ª opção – metronidazol 500mg 3x/dia por 5 dias (adulto) e 35mg/kg/dia 3x/dia por 5 dias (crianças)
FORMAS GRAVES
- metronidazol 750mg 3x/dia por 10 dias (adulto) e 50mg/kg/dia por 10 dias (crianças) – para formas intestinais e extraintestinais
ORIENTAÇÕES A drenagem cirúrgica aberta não é recomendável; no abscesso hepático a aspiração é uma alternativa

 

 

 

Rua Três de Maio, nº 1040 - Pelotas/RS - Fone: (53)32253164