CRISE HIPERTENSIVA

Conceito:

É a elevação permanente da Pressão Arterial acima dos níveis médios normais da população.

P.A ideal - P.S menor que 120 e P.D menor que 80

Níveis Pressóricos

PA Sistólica
PA Diastólica
Ótima
Menor que 120
Menor que 80
Normal
Menor que 130
Menor que 85
Estágio 1 – LEVE
130 – 139
85 – 89
Estágio 2 – MODERADA 140 – 159 90 – 99
Estágio 3 – GRAVE 180 – 209 110 – 119
Estágio 4 – MUITO GRAVE Acima de 210 Acima de 120

Introdução

- HAS é doença cárdio-vascular silenciosa,se não tratada adequadamente é fator de risco de doença aterosclerótica

- HAS leva a hipertrofia remodelação das artérias e arteríolas com aumento da RVP e menor capacidade de vasodilatação,modificando a autorregulação coração – cérebro - rim

- HAS Primária

- HAS Secundária
10-20 % dos maiores de 20 anos tem HAS (destes apenas 40% sabem que são hipertensos)

Manifestações de HAS

- CEFALÉIA PULSÁTIL,SUBOCCIPITAL
- TONTURAS
- ACÚFENOS
- ESCOTOMAS VISUAIS
- VISÃO BORROSA

Crise Hipertensiva

É a elevação repentina, severa, rápida da P.A em normotensos ou hipertenso
PS igual ou maior 220
PD igual ou maior 110-120

Classificação

Envolvimento dos
ÓRGÃOS –ALVOS:

Crise Hipertensiva
URGENTE
Crise Hipertensiva
EMERGENTE
- Rim
- Cérebro
- Coração
- Olhos
NÃO
SIM

Manifestações clínicas de Crise Hipertensiva

MAL ESTAR
ANSIEDADE/AGITAÇÃO
CEFALÉIA SEVERA
TONTURAS
VISÃO BORROSA
PRECORDIALGIA
TOSSE
DISPNÉIA

Etiologias


PSEUDO-CRISES
CRISES EFETIVAS
CAUSAS PROVÁVEIS
Crises emocionais
Crises dolorosas
Pânico – Síndr. do pânico
Cefaléias intensas, enxaquecosas, ou não
Pós-operat. imediato
Suspensão de tratamento
HAS
Aneurisma de Aorta
IAM
Encefalopatia hipert.
AVC isq/hemorrag.
Nefrites agudas
Trauma cirúrgico
Eclâmpsia/Pré-eclâmpsia
Tumor adrenal(feocrom.)
Drogas (anfetaminas, cocaína, antigripais, corticóides, anovulatórios)
Suspensão da Clonidina

Fatores de Risco

FATORES DE RISCO
DANOS EM ÓRGÃO-ALVO
ORIENTAÇÕES GERAIS
Tabagismo
Dislipidemias
Maiores de 60 anos
Diabetes
Doença cardiovascul.
HVE
Angina,ou IAM recente
Revasc.miocárdio recente
ICC
Nefropastia
Retinopatia
Doença arterial periférica
Diminuição de peso
Suspender álcool
Suspender fumo
Diminuição do saql
Diminuição gordura sat.
Exercícios físicos

Fatores de Risco

URGÊNCIAS HIPERTENSIVAS
EMERGÊNCIAS HIPERTENSIVAS
Pré-eclâmpsia
Anticoagulação
Intox. cocaína e anfetamina
Pré e Pós-operatório
Transplante renal
Retinopatia diabética
Rebote da suspensão de CLONIDINA
Encefalopatia hipertensiva
Síndromes isquêmicas agudas
Edema agudo de pulmão
Dissecção de Aneurisma de Aorta
Hemorragia intracraniana
Sangramentos pós-operatórios
Crise de Feocromocitoma
HA maligna
Eclâmpsia

Investigação Laboratorial

E . C . G
RX TÓRAX
ECU
Potássio sérico
Creatinina
Hemograma
Glicemia
Colesterol

Tratamento

CRISE HIPERT.URGENTE
CRISE HIPERT.EMERGENCIAL
VIA ORAL ou SL
CAPTOPRIL 25mg VO/SL
lat. – 15’-30’
ação – 6 – 8h
ef.colat – hipotensão,IR
CLONIDINA 0,1-0,2mg VO de hora/hora
lat. – 30’-60’
ação – 6-8h
ef.colat. – hipot.,sonolência
NIFEDIPINA 5-10mg
lat. – 5’ – 15’
ação – 6 -8h
ENDOVENOSA
NITROPRUSSIATO SÓDIO (nipride)
0,25-10mcg/kg/min/EV
lat. – imediata
ação – 1’-2’
ef.colat. – náuseas e vômitos
(indicado em todos os casos)
NITROGLICERINA (tridial)
5 – 100 mcg/min
lat. – 2’ – 5’
ação – 5’ – 10’
ef.colat. – cefaléia,taquicardia
(ideal em isquemia miocárdio)

 

Anestésico Local


Ester
Amida
ANESTÉSICOS
LOCAIS
Benzocaína (tópico)
Procaina(NOSCINA)
Lidocaína(XILOCAINA)Mepivacaina(CARBOCAINA)
Prilocaina(CITANEST)
Articaína
Bupivacaína(MARCAINA)

Vasoconstrictores associados AL


SIMPATICOMIMÉTICO
NÃO-SIMPATICOMIM.
ASSOCIAÇÕES COM
ANESTÉSICOS LOCAIS
epinefrina
noradrenalina
(Não provoca estímulo
cardíaco direto;pode induzir a vaso constricção
mais acentuada)
felipressina
(não tem efeito cardíaco
direto;potente vasocons-
trictor coronariano)

Contra indicações ao uso de vasoconstrictores associados a AL

ANGINA ESTÁVEL
IAM RECENTE (MENOS DE 6MESES)
AVC RECENTE
CIRURGIA DE REVASC. MIOCÁRDIO RECENTE
ICC
ARRITMIA REFRATÁRIA
HAS INCONTROLÁVEL

Tubetes anestésicos

TUBETE – 1:50.000 – 0,02mg de adren./ml
TUBETE - 1:10.000 -0,001 mg de adren/ml

(*) Risco de complicações quando a dose de adrenalina é maior que 0,5mg de adrenalina em 50 ml de solução 1:100.000
(*) Dose Limite de efinefrina = 1 – 2 mg AL
- Em Hipertensos usar até 2 tubetes de lidocaína a 2% com adrenalina 1 : 100.000

 

Rua Três de Maio, nº 1040 - Pelotas/RS - Fone: (53)32253164