RISCO DA INFESTAÇÃO POR CARRAPATO

A infestação por carrapato pode ser uma porta de entrada para enfermidade grave a Doença de Lyme.

O QUE É A DOENÇA DE LYME?
É zoonose transmitida por carrapato causada por uma espiroqueta (Borrelia burgdorferi).
QUAL A CARACTERÍSTICA DA LESÃO?
Lesão cutânea única ou múltipla, macular ou pápula avermelhada localizada no ponto da picada do carrapato. A lesão ao evoluir assume a forma anelar, quente e geralmente indolor.
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Mal-estar, cefaléia, febre, rigidez de nuca, mialgia, artralgia migratória, linfoadenopatias – tais sintomas podem perdurar semanas até a instituição terapêutica.
Quando sem tratamento, surgem manifestações neurológicas (15%): meningites, encefalites, coréia, paralisia de pares cranianos, radiculoneurite motora e sensorial.
Pode haver manifestação cardíaca (8%): bloqueio atrioventricular, miocardite.
TRANSMISSÃO
Pela picada do carrapato. Não há transmissão inter-humana e materno-fetal.
INCUBAÇÃO
3 – 30 dias (média 7-15 dias)
COMPLICAÇÕES
Envolvimento neurológico ou cardíaco.
DIAGNÓSTICO Pelo aspecto clínico das lesões cutâneas; hemocultura e isolamento da Borrelia burgdorferi; sorologia por Elisa e imunofluorescencia indireta.
TRATAMENTO Doxicilina 100mg 12-12h por 15 dias, ou Amoxicilina 500mg 6-6h por 15 dias.
Se lesões disseminadas prolongar tratamento por 3-4 semanas.
Em crianças: Amoxicilina 50 mg/kg/dia em 3 doses diárias por 3 semanas.
Em lesões neurológicas: Penicilina cristalina 20 milhões UI/dia fracionadas em 6 doses EV/dia. Em alérgicos a penicilina, usar Eritromicina 30mg/kg/dia por 3 semanas.

 

 

 

Rua Três de Maio, nº 1040 - Pelotas/RS - Fone: (53)32253164