ÍNDICE TORNOZELO-BRAQUIAL – I.T.B.

1. O QUE É O I.T.B (ÍNDICE TORNOZELO-BRAQUIAL)?
É um método diagnóstico semiológico,simples,de fácil execução,rápido,que oferece dados e informações de exame físico para avaliação do risco cardio-vascular e doença arterial obstrutiva periférica.

2. QUAL A RELAÇÃO DE DOENÇA ARTERIAL OBSTRUTIVA PERIFÉRICA (DAOP) E RISCO CARDIO-VASCULAR?

60% dos portadores de DAOP, mesmo no período assintomático, tem maior probabilidade de desenvolver doença coronariana, ou carotídea.

3. I.T.B (índice tornozelo-braquial) OFERECE CONFIABILIDADE?

Com a vantagem de execução simples e barata, oferece sensibilidade de 95% e especificidade de 99% para detectar a existência de DAOP (doença arterial obstrutiva periférica)

4. QUAIS OS RECURSOS NECESSÁRIOS PARA A DETERMINAÇÃO DO I.T.B?

São necessários um estetoscópio, um esfigmanômetro (aparelho de pressão) e um aparelho de Doppler vascular portátil

5. EM QUAIS CIRCUNSTANCIAS O I.T.B ESTÁ INDICADO SUA EXECUÇÃO?

Tem indicação inquestionável nos portadores de DAOP e nos portadores de risco potencial para DAOP: acima dos 50 anos de idade, diabéticos, fumantes, ex-fumantes com história de consumo diário de 1 maço de cigarro por período igual ou maior do que 10 anos, histórico familiar de DAOP, antecedente de dislipidemias (hipertrigliceridemia e/ou hipercolesterolemia)

6. QUEM DEVE EXECUTAR TAL EXAME CLÍNICO?

Qualquer médico pode e deve executar tal exame físico, em especial o clínico geral. O diagnóstico precoce da DAOP, mesma na fase assintomática, é fundamental para obter um prognóstico alentador

7. COMO É A TÉCNICA DE MEDIDA DO I.T.B?

O ITB é a relação entre a pressão arterial sistólica (máxima) dos tornozelos (direito e esquerdo) e a pressão arterial sistólica (máxima) do braço. Com o paciente em repouso é verificado a pressão arterial sistólica (máxima) nos braços direito e esquerdo. Tomar como referencia o maior valor verificado (do braço direito, ou esquerdo). Verificar a pressão arterial sistólica (máxima) dos membros inferiores direito e esquerdo, a nível do tornozelo (tibial posterior – retromaleolar medial). A verificação pressórica é mais fácil e efetiva utilizando um Doppler vascular portátil, entretanto na indisponibilidade deste,com o tradicional estetoscópio e esfigmanômetro é possível executar tal medição

8. COMO INTERPRETAR TAL MEDIÇÃO DO I.T.B?

Com os valores do I.T.B direito e esquerdo,obtidos com a aplicação da fórmula:

I.T.B Direito,ou Esquerdo =
pressão sistólica(máxima) dos tornozelos direito e esquerdo
Pressão sistólica(máxima) do braço

O usual e normal é obtermos da aplicação desta fórmula o índice 0,91 – 1,3;um valor de ITB abaixo do normal,MENOR OU IGUAL A 0,9,oferece sensibilidade e especificidade de 95 – 100% para a constatação de estenoses arteriais que envolvam 50% ou mais da luz(calibre) de um ou mais vasos de maior calibre dos membros inferiores.

VALOR DO I.T.B
GRAVIDADE DA DOENÇA ARTERIAL M.INF.
MAIOR DO QUE 0,9
NORMAL
0,71 – 0,9
DAOP LEVE
0,41 – 0,7
DAOP MODERADA
MENOR OU IGUAL A 0,41
DAOP GRAVE

Valores do I.T.B acima de 1,3 são também anormais e reproduzem doença aterosclerótica GRAVE,com calcificação parietal arterial, tornando as artérias não compressíveis a compressão do manguito do esfigmanômetro.
Quando os valores de I.T.B registrarem um índice entre 0,9 – 1,39 (normal), e manifestar sintomatologia aos esforços físicos (claudicação), ou alterações do exame físico (diminuição dos pulsos, lesões tróficas...), é aconselhável um I.T.B de esforço, em esteira na velocidade de 2 milhas por hora e inclinação a 12%, por 5 minutos, ou até que manifeste dor (claudicação) – é verificado o I.T.B em posição supina e repetida 1 minuto após o esforço na esteira. Reduções expressivas no I.T.B antes e após o esforço, representam DAOP. Havendo valores iguais ou superiores, antes e após o esforço, a possibilidade de DAOP é praticamente afastado.

9 – QUAL O PROGNÓSTICO DA DAOP COM BASE NO I.T.B?

Um I.T.B de 0,4 frequentemente estão relacionados a doença vascular isquêmica severa, habitualmente com dor em repouso, e frequentemente com úlceras nas extremidades. A dor a deambulação (claudicação) costuma ser encontrada com I.T.B maior do que 0,80. As medições seriadas e periódicas, oferecem condições para caracterização da DAOP. A redução progressiva do I.T.B informa agravamento da DAOP, já uma elevação do I.T.B informa melhora do quadro obstrutivo arterial.

10 – QUAL A RELAÇÃO ENTRE I.T.B E DOENÇA CARDIO-VASCULAR?

Quanto mais baixo o I.T.B maior o risco de evento cardio-vascular . Nos portadores de I.T.B menores que 0,9, a taxa de mortalidade foi elevada em 25%, mesmo sem doença cardio-vascular. Igualmente I.T.B menores que 0,9 aumenta o risco de infarto do miocárdio em 30%.
Pacientes portadores de doença arterial coronariana, ou insuficiência cardíaca, onde há suspeita de DAOP moderada, ou grave, ou uso de betabloqueadores (que beneficiam a doença coronariana), agravam a DAOP pelo seu efeito vasoconstrictor. Tal adversidade é minimizada com o carvedilol, ou bisoprolol, que são mais seletivos e menos vasoconstrictores. Tais medicamentos são a eleição em cardiopatas com I.T.B = 0,41-0,90 em cardiopatas. Quando o I.T.B igual ou menor que 0,40 evitamos os betabloqueadores em cardiopatas.

 

Rua Três de Maio, nº 1040 - Pelotas/RS - Fone: (53)32253164