VARICELA/”CATAPORA”

DESCRIÇÃO
Infecção viral aguda primária contagiosa, caracterizada por exantema maculo-papular, de distribuição centrípeta que evolui para lesões vesiculosas e crostosas, atingindo lesão pustulosa e posteriormente, forma crostas. Pode ocorrer febre moderada com manifestações clínicas sistêmicas. É característica evidente as lesões nos diversos estágios, concomitantemente, acompanhado de muito prurido
AGENTE
Virus RNA, o Varicella-zoster
TRANSMISSÃO
De pessoa a pessoa, pelo contato direto, ou via respiratória e menos freqüentemente pelo contato com as lesões. Ou via indireta, objetos contaminados pelas secreções das lesões (mais raro)
INCUBAÇÃO
15-20 DIAS
CONTAGIOSIDADE
1-2 dias antes das lesões até 5 dias após o surgimento do primeiro grupo de lesões
COMPLICAÇÕES INFECÇÃO bacteriana 2ª das lesões, artrite, pneumonia, endocardite, encefalite, meningite, glomerulonefrite; infecção fetal durante a gestação (com risco de mal formações congênitas; microftalmia, catarata, atrofia óptica, atrofia do SNC)
PROGNÓSTICO Geralmente benigna. Altamente contagiosa em menores de 15 anos. Pode ser grave em imuno-deprimidos. Varicela em recém-nascidos é grave, pode levar ao óbito
DIAGNÓSTICO Clínico; o vírus pode ser isolado nos primeiros 5 dias nas lesões vesiculare; PCR para VVZ (vírus varicela zoster)
TRATAMENTO SINTOMÁTICO: anti-histamínicos sistêmicos; antibióticos se tiver infecção secundária; analgésicos e antitérmicos
TÓPICO: calamina (caladryl loção), anti-histaminico (creme Fenergan)
ANTIVIRAIS: aciclovir – crianças: 20mg/kg 4x/dia por 5 dias (máximo de 800mg) ; adultos : 800mg v. oral 5x/dia por 7 dias. É EFETIVO SE INICIAR SEU USO NOS PRIMEIROS 5 DIAS. crianças imunodeprimidas devem fazer uso do aciclovir endo-venoso, na dose de 10mg/kg a cada 8h, infundido durante 1h por 7-14 dias

RECOMENDAÇÃO

Repouso, resguardo das intempéries, evitar ambientes fechados e contato com outras pessoas (há risco de contágio enquanto houver lesões vesiculosas) . Em adultos, em imunodeprimidos e recém-nascidos podem assumir a forma GRAVE com lesões encefálicas (encefalite, meningite) culminando com o óbito, principalmente em recém nascidos. As gestantes, não imunizadas devem evitar ao máximo o contato com infectantes, pelo risco de contaminação e conseqüente lesões neurológicas do feto, levando a mal formações congênitas graves.

FONTE – Guia de Bolso – 8ª edição DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS – Brasília/DF – Ministério Saúde

 

 

 

Rua Três de Maio, nº 1040 - Pelotas/RS - Fone: (53)32253164