VASCULITE

1 – O QUE SÃO AS VASCULITES?
É um grupo de enfermidades que caracteriza por um processo inflamatório na parede dos vasos, determinados pela deposição de anticorpos na sua parede. Decorrente deste processo inflamatório, há diminuição do calibre do vaso e conseqüente isquemia. Pode acometer as artérias, ou as veias, de qualquer calibre, inclusive grandes vasos como a Art. Aorta, ou as Veias Cavas, ou mesmo pequenos vasos dos olhos, ou rins. Se não tratada leva a necrose e morte celular e cicatrização, geralmente com oclusão total do vaso. Em algumas circunstâncias há enfraquecimento parietal com dilatações aneurismáticas.

2 - QUAL A GRAVIDADE?
A gravidade da enfermidade é determinado pelo calibre do vaso envolvido e do modo de instalação, se agudo ou insidioso. O órgão atingido é o determinante no prognóstico.

3 – QUAL A ETIOLOGIA?
É geralmente desconhecida. Pode estar associado a enfermidades diversas: Lupus Eritematoso, Artrite Reumatóide, Hepatites (A, B, C...), AIDS, Sífilis, ou decorrentes de reações a certas medicações. Passa a ter preponderante importância, pois desperta para a necessidade de investigações etiológicas , com nosologias ainda não manifestas. Existem ainda as Vasculites Primárias, sem etiologia secundária determinante

4 – COMO É CLASSIFICADO A VASCULITE?

De pequenos vasos
De médios e pequenos vasos
De pequenos e microscópicos
Arterite de Takaiasu
Poliarterite Nodosa
Vasculite Churg-Strauss
Arterite Temporal
Doença de Kawasaki
Púrpura Henoch-Schoenlein
Vasculite primária do SNC
Granulomatose de Wegener
Tromboangeíte obliterante
Crioglobulinemia
Doença de Beheçet

5 – QUAIS OS SINTOMAS DE UMA VASCULITE?
Depende do órgão e do calibre dos vasos comprometidos. Há sintomas vagos, como: cansaço, mal-estar, emagrecimento, dor abdominal, febre, dores articulares, inapetência. astenia, debilidade física, inapetência, febre de origem obscura, mio-artralgias, sudorese noturna, dor abdominal, manifestações cutâneas (manchas,equimoses,nódulos...) em qualquer área corporal, mais manifestas nas extremidades digitais das mãos e pés. Pode ser a manifestação de várias enfermidades: poliarterite nodosa, eritema nodoso, púrpuras... Quando afeta o rim, manifesta hematúria. O pulmão ao ser afetado provoca hemorragia pulmonar com insuficiência respiratória. Na pele determina manchas avermelhadas, purpúricas. Os nervos periféricos não estão livre de lesões (por comprometimentos dos minúsculos vasos das bainhas nervosas - vasanervorum, ocasionando dores e hipoestesias). Pode ser pouco agressiva, com escassas manifestações, ou muito grave com grandes repercussões clínicas. As vasculites por hipersensibilidade geralmente tem manifestações precoces.

6 – COMO FAZER O DIAGNÓSTICO?
Identificando o calibre dos vasos acometidos é um primeiro caminho diagnóstico. Exames laboratoriais (Fator Antinuclear – FAN; crioglobulinemias; complemento; radiografia de tórax; creatinina). O exame mais importante é a BIÓPISIA – de pele, pulmão, ou rim.

7 – QUAL O TRATAMENTO?
Identificando-se o órgão afetado, facilita o direcionamento terapêutico. Quando determinado por substâncias (medicamentos), a suspensão do fármaco, geralmente promove a cura. Caso exista insucesso, o uso de corticóides é muito eficaz. Quando afeta órgãos internos, passa a ter maior gravidade. Os imunossupressores (corticóides, metotrexate, ciclofosfamida, azatiaprina...) passam a ser uma arma adequada. Nos casos dramáticos a plasmaferese (procedimento onde é separado o plasma do sangue, com equipamento semelhante ao para executar hemodiálise) é indispensável.

 

 

Rua Três de Maio, nº 1040 - Pelotas/RS - Fone: (53)32253164